Rádio Germinal

RÁDIO GERMINAL, onde a música não é mercadoria; é crítica, qualidade e utopia. Para iniciar clique em seta e para pausar clique em quadrado. Para acessar a Rádio Germinal, clique aqui.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

CRUELDADE COM OS ANIMAIS E DESUMANIZAÇÃO EM “QUE CAÇADA!”, DE STEVE CUTTS

CRUELDADE COM OS ANIMAIS E DESUMANIZAÇÃO EM “QUE CAÇADA!”, DE STEVE CUTTS

O vídeo de Steve Cutts, Que Caçada! (What a hunt! 2013), é um vídeo criado no Photoshop & After Effects e inspirado, segundo o próprio Cutts informa, pela cobertura realizada pelo capital comunicacional (meios oligopolistas de comunicação) da caçada feita por Melissa Bachman na África do Sul. Melissa Bachman é uma apresentadora de TV dos Estados Unidos e tem como passatempo a caçada (veja notícia no The Guardian clicando aqui, em inglês).

O vídeo realiza uma crítica não apenas a um indivíduo concreto, no caso, Melissa Bachman, mas também a todos que são insensíveis ao ponto de matar animais sem nenhum motivo além do próprio prazer da caça.


Usando diversas imagens de personagens animais, especialmente da Disney e Hannah Barbera, que povoa a imaginação infantil e dos adultos que recordam sua infância (especialmente os desenhos animados de Hanna Barbera), e mostrando cenas de O Rei Leão, bem como personagens como Zé Colmeia, Pernalonga, Pumba e Timão, entre diversos outros, Cutts lança mão dos sentimentos despertados pelos animais e personagens para alertar contra a crueldade com os animais e a futilidade de indivíduos que matam (animais) por prazer.


Uma das imagens que aparece no vídeo de Steve Cutts é a de Melissa Bachman ao lado de um leão morto...

...no caso, Simba, de O Rei Leão, que reproduz a foto divulgada por ela.

Assim, o processo de humanização do mundo, que se inicia com a formação do ser humano, passa a ser permeado por muitas contradições oriundas das sociedades de classes, e, no capitalismo contemporâneo, se realiza um processo de desumanização. O vídeo de Steve Cutts mostra um aspecto dessa desumanização, no qual um passatempo e necessidade de aparecer, tira vida de animais sem nenhum motivo (não se trata de defesa, necessidade de alimentação, etc. e sim mero capricho produzido socialmente e marcado pela futilidade). O ser humano, como já dizia Marx, humaniza o mundo através da práxis (trabalho teleológico consciente) e da socialidade fundada na liberdade e igualdade, e assim também humaniza a natureza. A relação do ser humano com a natureza através da destruição gratuita mostra um processo de desumanização.

O único problema do vídeo encontra-se em seus créditos, pois além da autoria coloca que é em apoio aos direitos dos animais. A ideia de “direito” (o que, no sentido jurídico, remete ao que se denomina “direitos subjetivos” ou, ainda, direitos individuais), é, em si, problemática, e “direito dos animais” é algo sem sentido. O direito, nesse sentido, é o reconhecimento da capacidade de exigir no interior do aparato jurídico burguês e cuja efetividade depende de diversas determinações e cuja solicitação pode ou não ser justa. O seu grande problema é que o chamado “direito subjetivo” é a sua aceitação e simultânea legitimação da legalidade e do aparato jurídico. O direito dos animais é apenas uma extensão disso ao reino animal.

Independentemente disso, o vídeo mostra o processo de desumanização e coisificação, ou seja, como determinadas pessoas desenvolvem uma consciência coisificada, pois a crueldade com animais apenas mostra que o mundo circundante é composto por “coisas” sem valor, pois apenas o hedonismo e o narcisismo constituídos socialmente e encarnados em Melissa Bachman é que tem valor para ela.  

Vídeo “Que Caçada!”, de Steve Cutts:


Nenhum comentário: